Mais de 20 entidades e órgãos integram a campanha “Trate bem seu solo”, lançada na última quinta feira, dia 3 de agosto, na Sociedade Rural de Londrina. O evento reuniu mais de 200 pessoas, entre secretários municipais de agricultura e meio ambiente, prefeitos e técnicos municipais para discutir a importância de ações que promovam as boas práticas de conservação de solo na região. O Secretário Estadual de Agricultura,  Norberto Ortigara, participou do encontro e defendeu o envolvimento de todos no trabalho de implementar, conscientizar e cobrar ações  de preservação da terra.

A campanha quer alertar os produtores para a importância de retomar as boas práticas de conservação do solo e regularizar sua situação frente à Lei do Solo para evitar multas e sanções. A lei dá prazo até o final de agosto para a regularização, mas o governo estadual flexibilizou o prazo para aqueles que aderirem ao programa Prosolo. Assim, quem tiver dificuldades para se adequar às exigências poderá, integrando o programa, ganhar mais um ano para a elaboração de projeto e até 3 anos para sua implementação. O programa oferece ainda assessoria técnica para a elaboração do projeto e acompanhamento técnico.

“Hoje somos referência em produtividade e em boas práticas de conservação de solo e, para manter essa liderança, é preciso cuidar da nossa terra e da nossa água.“, reforçou o secretário Estadual da Agricultura.  Um estudo da Emater evidencia que a maioria dos produtores abrandou as ações de conservação de solo e atribui parte do problema às novas tecnologias e à falta de acesso a informação e ao atendimento técnico.

Sérgio Luiz Carneiro,dá como exemplo o fato das novas máquinas agrícolas atuais serem maiores e mais largas, exigindo uma área mais plana. “Seu uso inviabiliza as curvas de nível nos parâmetros tradicionais, o que fez muitos produtores espaçarem demais estas curvas, comprometendo a sua funcionalidade na retenção da cobertura e das águas de chuva. ”O exemplo explica parte do aumento do processo de erosão no Estado.

 Em 2015 as chuvas torrenciais e inundações trouxeram sérios prejuízos a 60 municípios do norte do estado, superando a casa dos R$ 100 milhões em perdas de safra, quedas de pontes, estradas danificadas e outras estruturas. Atualmente estima-se que 30% do solo do Paraná esteja comprometido pela erosão, o que significa uma perda anual de mais de R$ 200 milhões em colheitas.

A campanha vem corrigir parte destas dificuldades. E, entre outras ações, a Seab  está oferecendo capacitação e treinamento aos técnicos dos municípios para que possam dar apoio direto aos produtores. Há também os vários programas disponibilizados pelo estado visando criar e melhorar a renda, dar mais segurança e qualidade de vida no campo.