Rota das Cachoeiras em Tamarana

  • 30 de junho de 2019

UMA CIDADE PARA REFRESCAR A CABEÇA

Emancipada de Londrina em 1995, Tamarana é um dos municípios mais novos do Paraná e, como todo jovem, a cidade traz consigo o espírito aventureiro.


São dezenas de cachoeiras espalhadas pela zona rural, que ainda conta com vastas áreas montanhosas. A Serra do Arreio, por exemplo, tem quase mil metros de altitude e proporciona uma vista que alcança quilômetros de distância.
O território de Tamarana abrange a Terra Indígena Apucaraninha, comunidade onde vivem cerca de 1.500 kaingangs em cinco aldeias. Lá também está um dos principais cartões-postais do norte do Paraná. É o Salto do Apucaraninha, uma queda d’água de estonteantes 116 metros de altura.
Situada a pouco mais de 50 quilômetros de Londrina, Tamarana tem 14.548 habitantes (estimativa do IBGE em 2018) e sua área total é de 469,401 quilômetros quadrados. A agricultura, através do cultivo de produtos como a soja, milho, hortifrutigranjeiros, leite e derivados, é o carro-chefe da economia local.

O QUE FAZER

Com suas diferentes cachoeiras, desde pequenas quedas d’água até o impressionante Salto do Apucaraninha, Tamarana agrega atrativos para perfis variados de visitantes.
Há locais para a prática de rapel e trekking, mas as opções não param por aí, já que existem espaços de sobra para ficar embaixo de árvores frondosas, ouvir o som das águas e curtir o sossego da natureza.
Tamarana é rota para os ciclistas e motoqueiros que não abrem mão de aventura. Outubro é mês do Pedal Solidário Serra do Arreio, que passa por deslumbrantes paisagens rurais. A cada dois anos, em abril, o município recebe o Enduro da Sobrevivência de motociclismo off-road.
Dentro do calendário religioso, a Festa de São Roque, padroeiro da cidade, ocorre anualmente em agosto e movimenta a cidade com quermesse e shows. Em 13 de dezembro, Tamarana comemora seu aniversário com distintas celebrações.

DICAS

Tamarana se destaca pelas temperaturas agradáveis ao longo de todo o ano. Embora localizada no norte do Paraná, a cidade, por seu clima montanhoso, tem brisa fresca em pleno verão. Em determinadas estações, os termômetros chegam a marcar 7ºC a menos do que municípios vizinhos como Londrina.

LUGARES MAIS VISITADOS

• Salto do Apucaraninha
• Água Viva Recanto (www.estanciaaguaviva.com.br)
• Estância Barão do Rio Branco (www.estanciabaraodoriobranco.blogspot.com)
• Estância Cachoeira (www.facebook.com/estanciacachoeirapr)
• Estância Tamarana (www.estanciatamarana.com.br)
• Recanto Meia Serra (www.facebook.com/meiaserra)
• Recanto Pinhão (www.recantopinhao.com.br)

PRINCIPAIS PASSEIOS

Salto do Apucaraninha
O Salto do Apucaraninha é filho de duas mães: Tamarana e Londrina. O rio que dá nome para a bela cachoeira marca o limite entre as duas cidades. O mirante da cachoeira está em território tamaranense. Pouco mais de um quilômetro adiante, o Apucaraninha deságua no Rio Tibagi, principal corpo hídrico de toda a região.

Água Viva Recanto
Focado em receber eventos como encontros religiosos e casamentos, o espaço tem dois salões com capacidade aproximada para 200 e 100 convidados. Além disso, não faltam alternativas para se divertir: há toboágua, tobolona, sala de jogos, campo de futebol suíço, piscina, entre outros.

Estância Barão do Rio Branco
Apenas pelas oito belas cachoeiras que abriga, já faz jus ao título de nobreza. O lugar conta com estrutura para camping e propicia uma experiência de contato direto com as belezas da Mata Atlântica do norte do Paraná.

Estância Cachoeira
A pouco menos de um quilômetro da área urbana está a Estância Cachoeira – Recanto Ecológico, o primeiro empreendimento turístico de Tamarana. Cortada pelas águas do Rio Apucaraninha, a atração é um verdadeiro deleite para os olhos. O local oferece dois chalés que, juntos, têm capacidade para 14 pessoas, além de churrasqueiras para quem não dispensa fazer uma carne assada.

Estância Tamarana
Além de duas represas onde pescadores podem se divertir ao fisgar tilápias e lambaris, a Estância Tamarana oferece opções de lazer como passeios de caiaque e banho de piscina. Por sua localização privilegiada, logo ao lado do trevo da rodovia PR-445 com a PR-980, a Estância Tamarana recebe eventos e dispõe de um salão de festas com 500 metros quadrados.

Recanto Meia Serra
Com suas três cachoeiras (além de uma caverna), tem diversão por inteiro para quem gosta de esportes de aventura como rapel e trekking. As trilhas são acompanhadas por guia. Está no coração da zona rural de Tamarana, em área bastante montanhosa.

Recanto Pinhão
Reúne cinco chalés, seis apartamentos (bem aconchegantes e com conexão wi-fi) e estrutura para receber oito motorhomes. Tudo isso em um cenário de mata nativa com diversos exemplares de araucária e uma cachoeira para refrescar a alma.

Rotas turísticas regionais guiadas por profissionais do ramo também passam por Tamarana. Entre elas, um trajeto que reúne a Estância Cachoeira e o Castelo Eldorado, relíquia arquitetônica construída ainda no período da II Guerra Mundial e que é sediada no município vizinho de Marilândia do Sul. O pacote inclui café da manhã e almoço.

ONDE FICAR
Além das opções de hospedagem disponíveis nos empreendimentos turísticos da zona rural (desde espaço para acampar até amplos chalés, passando também por área preparada para receber motorhomes), Tamarana conta com um hotel na região urbana equipado com 19 suítes.

COMO CHEGAR
A PR-445 é a principal via para chegar a Tamarana, que está a 55 quilômetros de Londrina, segunda maior cidade do Paraná. Para ir ao Aeroporto Governador José Richa, em Londrina, são 50 minutos de carro.
Tamarana fica nas proximidades do entroncamento da PR-445 com a BR-376, a Rodovia do Café, que conecta o município com Curitiba (340 quilômetros de distância).

GASTRONOMIA
Comidas típicas da roça se destacam na gastronomia tamaranense. Eventos que unem música caipira e costela fogo de chão são comuns ao longo do ano – entre eles, a Costela de Chão e Viola, na Estância Cachoeira.
Comida boa, principalmente churrasco no espeto de pau, também é destaque em eventos como a Festa do Dia do Índio, que ocorre em abril na Terra Indígena Apucaraninha, e a Violada Solidária de Páscoa, que é realizada entre março e abril.