Transferência de policiais só mediante substituição

  • 12 de agosto de 2016

AMEPAR iniciou campanha para conscientizar políticos de que para atender uma pessoa, acabam desagradando uma comunidade inteira

Todos os deputados estaduais e o presidente da Assembleia receberam este mês um ofício reivindicando que todo e qualquer pedido de transferência de policiais militares seja encaminhado reforçando a necessidade de permuta. Assinado pelos 22 prefeitos que compõem a AMEPAR – Associação dos Municípios do Médio Paranapanema, o documento é resultado do esvaziamento do contingente policial nos pequenos municípios da região. É que grande parte dos pedidos de transferência de policiais militares são encaminhados por deputados.

O mesmo documento foi encaminhado ao chefe da Casa Civil defendendo que o governo estabeleça que a transferência de policiais só possa acontecer se houver substituição. “A nossa expectativa é que outras associações de municípios também façam o mesmo. Sabemos que o número de policiais ainda é muito menor do que o necessário, mas os pedidos de transferência sem a preocupação da substituição está agravando um problema que já é muito sério. Com a obrigatoriedade da permuta acreditamos que os municípios vão parar de perder contingente”, afirma o presidente da AMEPAR e prefeito de Florestópolis, Onício de Souza. A campanha quer evitar casos como o de Lupianópolis que, recentemente, teve seu único policial transferido ficando sem nenhuma segurança.

A reivindicação foi pauta de reunião entre a AMEPAR e o Comandante Geral da Polícia Militar, Coronel Maurício Tortato, realizada em julho. Além dos prefeitos de Centenário do Sul,Luiz Nicácio; Prado ferreira, Silvio Damaceno; 1º de Maio, Daniel Renzi; Cafeara,Ocimar Sperandio e Porecatu, Walter Tenan estiveram também presentes os representantes dos deputados Alexandre Curi,Cobra e Tiago Amaral. Na ocasião o Coronel ressaltou que outros fatores tem causado a falta de policiais nos municípios pequenos. Entre eles citou o fato de que a maioria dos policiais que se forma atualmente acaba pedindo transferência porque quer atuar em cidades maiores. “Casos em que o policial tem o cônjuge em outro local ou tem um filho que precisa de atendimento especializado, por exemplo, são tratados com rapidez. Os demais pedidos são avaliados com cuidado para não deixar os municípios desprotegidos”, garantiu.

Mesmo com um novo concurso programado para acontecer em 2017, novos policiais só estarão prontos para atuar em 2018. Por isso, diante das reivindicações dos prefeitos o Coronel se comprometeu a manter na região os 47 soldados que serão formados este ano pelo 5º BPM. A medida é provisória e deve amenizar o problema até que o Comando possa estudar uma forma de remanejamento para atender os municípios.